Após quase dois anos do desaparecimento de sua cadela, dona mantém buscas.

- abril 24, 2019


Um ano e oito meses após o desaparecimento da cadelinha Flica, no Jardim Botânico, sua dona, Esther Paes Leme, segue sem pistas do paradeiro da vira-lata que adotou há cerca de sete anos. Mas, ela garante, a procura segue a pleno vapor.

Flica sumiu no dia 17 de agosto de 2017, enquanto andava com um passeador na trilha da Cachoeira dos Primatas, no Horto. Esther conta que, segundo o profissional, ela se desgarrou do mesmo quando viu um bando de macacos e sumiu mata a dentro. Desde então, uma grande mobilização vem sendo feita para encontrar Flica. Uma página no Facebook – a “Onde está Flica?” – acumula 4.600 curtidas. E é alimentada com frequência com posts que buscam por pistas da cadela. Com cartazes, panfletos, cães farejadores e até consultas com médiuns, Esther afirma que já gastou mais de R$ 7 mil. E oferece a quantia de R$ 2 mil para quem encontrar o animal.

– Passei os primeiros meses refazendo as trilhas. Panfletei no Rio de Janeiro inteiro, e também recebi a ajuda de muita gente. Uma amiga, por exemplo, cedeu o espaço traseiro de seus ônibus escolares para fixação de cartazes, que estão lá até hoje. Nunca tivemos nenhuma pista concreta. Já me ligaram e disseram que ela estava em Copacabana, no meio da rua, mas a Flica tinha muito medo de trânsito. Outra vez me disseram que ela estava com uma pessoa na Tijuca, mas quando fui lá ver, era um macho, realmente muito parecido. É tudo muito surreal – diz Esther.

Esperança

Ela e a família se agarram na esperança de que alguém possa ter encontrado Flica e que essa mesma pessoa esteja cuidando bem da cadela.

– Fico de mãos atadas, não sei mais o que fazer. Ter a Flica de volta não tem preço, virou minha obsessão. Eu adotei ela com seis meses de idade, ela ficou comigo por volta de cinco anos. Não consigo aquietar meu coração, pois não sei o que aconteceu de fato com ela. Esperamos o melhor – conta.

Quem tiver informações sobre a cachorra Flica, pode entrar em contato com Esther pelos telefones 98782-7240 e 98856-0083.

Fonte: historiascomvalor / Redação
Advertisement