Menino de 4 anos mata acidentalmente seu peixinho ao dormir com ele na cama: "Eu só queria cuidar dele".

- abril 24, 2019


Crianças são muito inocentes e, às vezes, elas possuem boas intenções sem perceber as consequências. O menino Everett Hamlin, de 4 anos, amava seu peixinho dourado Nemo e decidiu que seria confortável dormir com seu amigo aquático. Tragicamente, o carinho do menino pelo bichinho acabou levando-o para o céu dos peixinhos.

Aparentemente, o pequeno Everett não entendia que peixes precisam estar dentro d'água para respirar e sobreviver. Às vezes, os princípios básicos das ciências precisam ser aprendidos da pior forma. Quando Tori, a mãe de Everett, foi observar o sono do menino, ela o encontrou dormindo agarrado ao peixinho.

Quando Tori acordou o garoto, ele ficou devastado ao saber que seu amado Nemo havia partido. Tori teve a difícil tarefa de explicar que o amor de Everett pelo peixe havia causado sua morte.

Segundo o jornal britânico Daily Mail, Everett explicou que acordou no meio da noite e decidiu que queria dar carinho ao bicho de estimação, mas não sabia que isso poderia machucá-lo.

Tori explicou que ficou chocada ao ver o menino segurando o peixe, mas depois se sentiu triste pelo garoto quando percebeu que o ato havia sido motivado por amor.

Mal-entendidos assim podem ser cômicos, mesmo quando causam a morte desnecessária de um ser vivo, mas a mãe de Everett não achou graça da situação.

Tori também reconhece que é preciso ter muita destreza para controlar um peixe e segurá-lo daquela forma aos quatro anos de idade.

Tori especulou que o peixe deve ter se acostumado com a companhia de Everett depois de tanto tempo, e por isso não fugiu. O garoto amava ficar observando o peixinho. O aquário ficava no quarto do garoto porque ele adorava seu bichinho.

As luzes coloridas no tanque também eram um fator que depertava a fascinação do menino. No entanto, até onde a mãe sabe, essa foi a primeira vez que ele tentou tirar o peixe do aquário.

Quando Everett acordou na manhã seguinte, parecia mais preocupado com seu ato, que causou a morte do peixe, do que triste pelo falecimento de seu amigo aquático.

Everett prometeu que não iria tocar no seu próximo peixe, mas explicou que só poderia fazê-lo se estivesse pescando. A mãe de Everett tomou isso como mais um aprendizado de vida.

Fonte: apost / Redação
Advertisement