Cinquenta e nove cães morrem envenenados, e protetores denunciam massacre. - Planeta dos Animais

Cinquenta e nove cães morrem envenenados, e protetores denunciam massacre.

- 2:29 PM


na manhã deste domingo (15) para serem levados a um laboratório da Uni-BH onde serão submetidos a necropsias. Dezenove cães, apenas, dos 78 cuidados pelo Lar Temporário Entre Latidos e Miados, sobreviveram ao massacre. Sete desses estão internados em estado grave, em uma clínica veterinária.
O crime aconteceu na tarde desse sábado (14), durante a transferência dos animais da antiga sede do lar, em Ribeirão das Neves, para a nova, em Contagem. Os bichinhos começaram a apresentar sinais de envenenamento enquanto a mudança ainda acontecia. Um deles chegou a vomitar um pedaço de salsicha. A suspeita dos protetores é que o veneno usado para matar os animais tenha sido colocado no alimento.

Quatorze animais foram socorridos para uma clínica veterinária, mas sete deles morreram; os outros estão em estado grave Foto: Arquivo pessoal

“Os cães estavam em Ribeirão das Neves. No dia da mudança (sábado) alguém envenenou os animais, ainda durante o transporte da mudança. Eles começaram a passar mal e quando chegaram aqui (em Contagem) começaram a agonizar, a morrer. Nem imagino a dor enorme que esses animais sentiram, a morte por envenenamento é muito dolorosa”, conta, bastante emocionado, o deputado Osvaldo Lopes (PSD).

Ao lado de outros protetores de animais, o deputado retira do abrigo os corpos dos cães mortos para levá-los em sua picape às instalações da Uni-BH. “Nós faremos a necropsia de todos os animais mortos na segunda-feira (dia 16). Estou levando os corpos deles na minha picape”.

Os animais – ao todo 78 cães – haviam sido resgatados em situações degradantes em ocasiões passadas e, há algum tempo, eram cuidados no Lar Temporário Entre Latidos e Miados. Segundo Lopes, o lar é cuidado por Cláudia Araújo, protetora de animais que abriga os animais resgatados que são encaminhados por outros protetores.

“Eu estou deprimido vendo uma cena dessas que está aqui. É muito cruel. Tudo que a gente constrói para os animais, tudo que a gente faz é cuidar deles com carinho. Aí vem alguém de forma tão covarde e mata os animais todos. Nós trabalhamos a vida inteira para dar dignidade a eles”, desabafa Lopes.

Entre os cães guardados sob a tutela de Cláudia estava Led, vira-lata pretinho que pertencia à jornalista Bárbara Camila. Ela o resgatou em outubro de 2018 após encontrar o animal ferido. “Provavelmente ele tinha sido atingido por um chute. Nós resgatamos e ele precisou fazer uma cirurgia de emergência na bacia”, conta. Imagens registradas por ela mostram o afeto pelo animal que, no abrigo, tinha entre os amigos o cão Kaleb.

Abrigados, os animais esperavam seus protetores encontrarem um lar fixo. Os dois não resistiram e morreram também envenenados. Onze dos cães abrigados no lar temporário de Cláudia pertenciam ao deputado.

Via: olharanimal
Advertisement